Blog de Viagens – Rumbo.pt

UM BLOG RUMBO
Home > O que ver > Destinos com gastronomias arrojadas

O que ver

Destinos com gastronomias arrojadas

Destinos com gastronomias arrojadas
Abril 24
08:00 2017

O manual de bom turista diz que é obrigatório provar a comida típica do local para onde viajamos: fish and chips na Inglaterra, sushi no Japão, paella em Valência, o assado argentino… No entanto há países onde é mais fácil cumprir com esta premissa já que não é igual comer massa em Itália ou no sudeste asiático, onde o picante é rei. Por isso, vamos procurar os destinos com uma cozinha apta apenas aos mais valentes, seja pelo picante, pelos ingredientes ou por uma mistura de fatores e assim decidir para onde comprar os próximos voos baratos!

O SONHO AMERICANO, VERSÃO PICANTE

asas-de-bufalo

Não há nada mais típico do que comer um cachorro quente em Nova Iorque ou desfrutar de um bom hambúrguer nos Estados Unidos, mas no país das riscas e das estrelas conseguimos mesmo ver estrelas com o picante. Por exemplo, em San Luis encontramos o Pearl Café, um restaurante famoso por um arroz frito que leva galanga, pimentos roxos, pimentos verdes e um sem fim de especiarias. É tão picante que apenas 5% dos que tentaram provar acabaram o prato.

Também poucos conseguiram acabar os rolos de atum de um restaurante da cidade de Charleston, Carolina do Sul. São tão picantes que foram incluídos no duro treino dos aspirantes a samurai. A nossa última paragem nos Estados Unidos é em Buffalo, no estado de Nova Iorque, de onde provém as Asas de Buffalo, as típicas asas de frango, preparadas com dois ingredientes, um molho picante de vinagre e pimenta-caiena e manteiga ou margarina. Sem dúvida, as asitas mais picantes do mundo.

MAIS PICANTE NO MÉXICO

frijoles-chili

Atravessamos a fronteira mexicana e o picante continua a ser o rei. De certeza que já provou as enchiladas, essas tortilhas de trigo cheias de carne e verduras enroladas. A diferença é que ali se servem com molho de chili por cima. Outro prato obrigatório para provar no México são os frijoles com chili. O seu nome não engana, basicamente são feijões (feijão branco) com chili ao que se pode juntar carne ou verduras. Apenas apto aos paladares mais resistentes.

 

FOCAS E BALEIAS NO ÁRTICO

vinho-gaivota

Na Gronelândia tem de provar o muktuk, pele e gordura de baleia boreal que se come crua. São muito ricas em vitaminas C e D, mas se não se atrever tem a opção de comê-las fritas. Na ilha, e onde viviam os inuit (Alasca, Canadá) poderá provar o vinho de gaivota, ainda que talvez não queira saber a sua origem: colhe-se uma gaivota morta (inteira ou pedaços), mete-se numa garrafa de água e deixa-se vários dias ao sol. Se for à Terra Nova (Canadá) na Páscoa, pode provar o típico pastel de barbatana de foca, que se prepara com raízes de vegetais e banha de porco.

O SUDESTE ASIÁTICO: ANIMAIS E PICANTE

sambal

Durante o mundial da Coreia e Japão de 2002 descobrimos que na Coreia do Sul podíamos comer cão nos restaurantes. Nos mercados do Vietname, China, Laos ou Tailândia não é difícil encontrar ratazanas fritas ou assadas que se vendem envoltas em folhas de bananeira. Se não acabamos de o convencer, pode provar a tarântula frita no Camboja. Os que provaram dizem que tem um sabor delicioso, entre frango e bacalhau, mas há sempre dúvida de até que ponto seremos capazes de comer as oito peludas patas.

Para os que procuram o picante na Ásia; na Indonésia temos o sambal, um molho espesso à base de pimentos habaneros, pimentos espanhóis, pimentos olho de ave e pimenta caiena… E sim, é mais picante do que o que parece. Na China tem de provar as zhong jiaozi, umas empadas cheias de carne de porco e verduras cobertas com molho de soja, azeite de sésamo e azeite de chili. Também é extremamente picante o Huo Guo, um prato típico à base de verduras, carne, cogumelos e, como não poderia faltar, azeite de pimenta.

A ÍNDIA E OS CARIS

caril-phall

As receitas indianas costumam levar especiarias ou picantes, mas os caris levam as duas. Seguramente, na Índia estão os caris mais picantes do mundo, como o caril Phall. Além disso, alguns restaurantes entregam um certificado aos comensais que acabarem o prato. Leva 10 tipos de pimento, incluindo o Bhut Jolokia, o mais picante do mundo. As chamuças, umas empadas triangulares cheias de verduras e carne muito condimentada que lhe dão um sabor picante, também não ficam atrás.

O FUGU NO JAPÃO

sashimi-fugu

O fugu ou baiacu é sinónimo de perigo. Trata-se de um peixe delicioso, o único inconveniente é a tetrodotoxina, um poderoso e letal veneno que encontramos em grandes quantidades no seu fígado, pele e ovários. Não há nenhum remédio contra a tetrodotoxina, pelo que o fugu deve ser preparado na perfeição. Os restaurantes que oferecem este manjar contam com chefs especializados que depois de um duro processo aprenderam a eliminar o veneno e a bem preparar o fugu. O risco está ali, ainda que às vezes essa seja a melhor publicidade.

SIK SIK WAT, A ESTRELA DO PICANTE

Acabamos com o prato mais picante do mundo, o Sik Sik Wat, que encontramos na Etiópia. Não é um prato em si, mas sim uma espécie de pasta que se prepara à base de pimentos vermelhos, pimentão-doce e feno-grego que acompanha guisados de frango ou carne, ainda que também se utilize como molho nos crepes. A única maneira de comprovar se realmente este é o prato mais picante do mundo é viajando até ao país africano e provar.

© Artigo redigido por  Pau Sisternas.

Etiquetas

Sobre o Autor

Rumbo

Rumbo

0 Comentários

Ainda não existem comentários!

Não existem comentários neste momento, quer adicionar um?

Escrever Comentário

Escrever Comentário

Siga-nos no

Infografias - Infografias inspiradoras by Rumbo.
Dicas para Viajantes - Viaje informado com a Rumbo.

Siga-nos no Facebook